24 Jul. 2018: “Fanny & Alexander” de Ingmar Bergman – Cine Esquina

Ao longo do mês de julho, o Cine Esquina rende homenagem a Ingmar Bergman, inspirando-se no aniversário de 100 anos de nascimento do cineasta (14/07/1918), com a realização da Mostra “O Lobo à Espreita: Uma Homenagem ao Centenário de Ingmar Bergman”. Curiosamente, o sueco também veio a falecer no mês de julho, no dia 30, em 2007.

Confira a apresentação oficial da Mostra: “Bergman nasceu no mês de julho de 1918, na cidade de Uppsala (Suécia), e morreu em 2007, aos 89 anos. O diretor é considerado um dos principais nomes da história do cinema e dirigiu 52 filmes ao longo de 73 anos de carreira. Também foi dramaturgo, dirigindo mais de cem peças teatrais. Na extensa lista de premiações que detém, estão os troféus nos festivais de cinema de Cannes, Berlim e Veneza, além de três prêmios Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Ele influenciou dezenas de cineastas, incluindo Woody Allen, que o idolatrava e que homenageou O Sétimo Selo, um dos clássicos do cineasta sueco, com a comédia A Última Noite de Boris Grushenko.

Por meio de impecável construção visual e forte influência de dramaturgos como Strindberg, Shakespeare e Ibsen, traz nos temas centrais das obras dele o estudo psicológico dos personagens e das famílias disfuncionais, assim como a angústia causada pela ausência de um Deus, deixando o ser humano abandonado entre o ‘bem’ e o ‘mal’. Como recurso técnico, o flashback se tornou ferramenta essencial das narrativas e marca registrada dos filmes de Bergman. Assim como a interação do ator com a câmara, como se estivesse dialogando ou olhando para o espectador.”

A mostra continua com Fanny & Alexander, de Ingmar Bergman.

Sinopse: No início do Século 20, após um alegre Natal da família Ekdahl, o pai de um casal de crianças vem a falecer. Do momento em diante, Alexander, o menino, passa a ver o fantasma do pai frequentemente. Tempos depois, Emilie, a mãe, casa-se com um homem religioso extremamente rígido, e as crianças são obrigadas a deixar a casa da avó paterna, onde eram muito felizes, e passam a viver com a família do padrasto de hábitos severos, onde são tratados como prisioneiros. Na casa, o menino passa a ver o fantasma da primeira esposa do padrasto e filhas, que haviam morrido tentando escapar da casa. Decorrido algum tempo, a mãe se conscientiza da real personalidade do marido e de quanto os filhos estão sofrendo, e começa a planejar uma fuga. Continuar lendo

Anúncios

19 Jul. 2018: “Sonata De Outono” de Ingmar Bergman – Cine Esquina

Ao longo do mês de julho, o Cine Esquina rende homenagem a Ingmar Bergman, inspirando-se no aniversário de 100 anos de nascimento do cineasta (14/07/1918), com a realização da Mostra “O Lobo à Espreita: Uma Homenagem ao Centenário de Ingmar Bergman”. Curiosamente, o sueco também veio a falecer no mês de julho, no dia 30, em 2007.

Confira a apresentação oficial da Mostra: “Bergman nasceu no mês de julho de 1918, na cidade de Uppsala (Suécia), e morreu em 2007, aos 89 anos. O diretor é considerado um dos principais nomes da história do cinema e dirigiu 52 filmes ao longo de 73 anos de carreira. Também foi dramaturgo, dirigindo mais de cem peças teatrais. Na extensa lista de premiações que detém, estão os troféus nos festivais de cinema de Cannes, Berlim e Veneza, além de três prêmios Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Ele influenciou dezenas de cineastas, incluindo Woody Allen, que o idolatrava e que homenageou O Sétimo Selo, um dos clássicos do cineasta sueco, com a comédia A Última Noite de Boris Grushenko.

Por meio de impecável construção visual e forte influência de dramaturgos como Strindberg, Shakespeare e Ibsen, traz nos temas centrais das obras dele o estudo psicológico dos personagens e das famílias disfuncionais, assim como a angústia causada pela ausência de um Deus, deixando o ser humano abandonado entre o ‘bem’ e o ‘mal’. Como recurso técnico, o flashback se tornou ferramenta essencial das narrativas e marca registrada dos filmes de Bergman. Assim como a interação do ator com a câmara, como se estivesse dialogando ou olhando para o espectador.”

A mostra continua com Sonata De Outono.

Sinopse: Após ter sido uma mãe ausente por anos, Charlotte, renomada pianista, vai até a casa da filha Eva para uma visita. Ela se surpreende ao encontrar uma outra filha, Helena, que sofre de problemas mentais. Eva tirou Helena da instituição que Charlotte a havia internado para cuidar dela em casa. A tensão entre mãe e filha começa a crescer e vai se intensificando, até colocarem tudo em panos limpos, dizendo uma à outra tudo que sempre quiseram dizer. Continuar lendo

17 Jul. 2018: “Vergonha” de Ingmar Bergman – Cine Esquina

Ao longo do mês de julho, o Cine Esquina rende homenagem a Ingmar Bergman, inspirando-se no aniversário de 100 anos de nascimento do cineasta (14/07/1918), com a realização da Mostra “O Lobo à Espreita: Uma Homenagem ao Centenário de Ingmar Bergman”. Curiosamente, o sueco também veio a falecer no mês de julho, no dia 30, em 2007.

Confira a apresentação oficial da Mostra: “Bergman nasceu no mês de julho de 1918, na cidade de Uppsala (Suécia), e morreu em 2007, aos 89 anos. O diretor é considerado um dos principais nomes da história do cinema e dirigiu 52 filmes ao longo de 73 anos de carreira. Também foi dramaturgo, dirigindo mais de cem peças teatrais. Na extensa lista de premiações que detém, estão os troféus nos festivais de cinema de Cannes, Berlim e Veneza, além de três prêmios Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Ele influenciou dezenas de cineastas, incluindo Woody Allen, que o idolatrava e que homenageou O Sétimo Selo, um dos clássicos do cineasta sueco, com a comédia A Última Noite de Boris Grushenko.

Por meio de impecável construção visual e forte influência de dramaturgos como Strindberg, Shakespeare e Ibsen, traz nos temas centrais das obras dele o estudo psicológico dos personagens e das famílias disfuncionais, assim como a angústia causada pela ausência de um Deus, deixando o ser humano abandonado entre o ‘bem’ e o ‘mal’. Como recurso técnico, o flashback se tornou ferramenta essencial das narrativas e marca registrada dos filmes de Bergman. Assim como a interação do ator com a câmara, como se estivesse dialogando ou olhando para o espectador.”

A mostra continua com Vergonha.

Sinopse: Em meio a uma guerra civil nos balcãs, um casal de violinistas, que se dizem apolíticos, fogem para viver isolados em uma ilha, onde sustentam-se com o cultivo e a venda de produtos da terra. Essa vida alienada acaba quando um grupo de soldados invade a ilha, e a população local reage criando um movimento de guerrilha. A partir desse momento, o casal não poderá ficar mais alheio à tudo o que acontece, e terão que lidar com as misérias, a destruição e os horrores da guerra. Continuar lendo

12 Jul. 2018: “A Hora Do Lobo” de Ingmar Bergman – Cine Esquina

Ao longo do mês de julho, o Cine Esquina rende homenagem a Ingmar Bergman, inspirando-se no aniversário de 100 anos de nascimento do cineasta (14/07/1918), com a realização da Mostra “O Lobo à Espreita: Uma Homenagem ao Centenário de Ingmar Bergman”. Curiosamente, o sueco também veio a falecer no mês de julho, no dia 30, em 2007.

Confira a apresentação oficial da Mostra: “Bergman nasceu no mês de julho de 1918, na cidade de Uppsala (Suécia), e morreu em 2007, aos 89 anos. O diretor é considerado um dos principais nomes da história do cinema e dirigiu 52 filmes ao longo de 73 anos de carreira. Também foi dramaturgo, dirigindo mais de cem peças teatrais. Na extensa lista de premiações que detém, estão os troféus nos festivais de cinema de Cannes, Berlim e Veneza, além de três prêmios Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Ele influenciou dezenas de cineastas, incluindo Woody Allen, que o idolatrava e que homenageou O Sétimo Selo, um dos clássicos do cineasta sueco, com a comédia A Última Noite de Boris Grushenko.

Por meio de impecável construção visual e forte influência de dramaturgos como Strindberg, Shakespeare e Ibsen, traz nos temas centrais das obras dele o estudo psicológico dos personagens e das famílias disfuncionais, assim como a angústia causada pela ausência de um Deus, deixando o ser humano abandonado entre o ‘bem’ e o ‘mal’. Como recurso técnico, o flashback se tornou ferramenta essencial das narrativas e marca registrada dos filmes de Bergman. Assim como a interação do ator com a câmara, como se estivesse dialogando ou olhando para o espectador.”

A mostra continua com A Hora Do Lobo.

Sinopse: O pintor Johan e a esposa grávida, Alma, retiram-se para uma ilha isolada. Johan é consumido por remorsos do passado e por constantes alucinações. Alma tenta ajudá-lo a manter a sanidade e controlar a obra dele. Mas, durante a escuridão entre a noite e o amanhecer, a chamada “hora do lobo”, Johan sofre confusões mentais, delírios e alucinações. Acabam por conhecer um misterioso grupo de pessoas que passa a trazer angústias ainda maiores à vida do casal. O único filme que pode ser considerado de terror/horror na filmografia de Ingmar Bergman. Continuar lendo

10 Jul. 2018: “Persona” de Ingmar Bergman – Cine Esquina

Ao longo do mês de julho, o Cine Esquina rende homenagem a Ingmar Bergman, inspirando-se no aniversário de 100 anos de nascimento do cineasta (14/07/1918), com a realização da Mostra “O Lobo à Espreita: Uma Homenagem ao Centenário de Ingmar Bergman”. Curiosamente, o sueco também veio a falecer no mês de julho, no dia 30, em 2007.

Confira a apresentação oficial da Mostra: “Bergman nasceu no mês de julho de 1918, na cidade de Uppsala (Suécia), e morreu em 2007, aos 89 anos. O diretor é considerado um dos principais nomes da história do cinema e dirigiu 52 filmes ao longo de 73 anos de carreira. Também foi dramaturgo, dirigindo mais de cem peças teatrais. Na extensa lista de premiações que detém, estão os troféus nos festivais de cinema de Cannes, Berlim e Veneza, além de três prêmios Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Ele influenciou dezenas de cineastas, incluindo Woody Allen, que o idolatrava e que homenageou O Sétimo Selo, um dos clássicos do cineasta sueco, com a comédia A Última Noite de Boris Grushenko.

Por meio de impecável construção visual e forte influência de dramaturgos como Strindberg, Shakespeare e Ibsen, traz nos temas centrais das obras dele o estudo psicológico dos personagens e das famílias disfuncionais, assim como a angústia causada pela ausência de um Deus, deixando o ser humano abandonado entre o ‘bem’ e o ‘mal’. Como recurso técnico, o flashback se tornou ferramenta essencial das narrativas e marca registrada dos filmes de Bergman. Assim como a interação do ator com a câmara, como se estivesse dialogando ou olhando para o espectador.”

A mostra continua com Persona. O filme também também é conhecido no Brasil sob o título Quando Duas Mulheres Pecam.

Sinopse: Após um desempenho na peça “Electra”, uma famosa atriz, Elisabeth Vogler, para de falar. A psiquiatra dela, Lakaren, a deixa sob os cuidados de Alma, uma dedicada enfermeira. Como já faz três meses que Elisabeth não profere uma só palavra, Lakaren decide que ela deve repousar numa isolada casa de praia, acompanhada de Alma. Na casa Alma fala pelas duas – inclusive revelando fatos íntimos da vida dela; Elisabeth continua muda, comunicando-se apenas com pequenos gestos. O que a atriz esconde e o que está pretendendo? Continuar lendo

05 Jul. 2018: “O Sétimo Selo” de Ingmar Bergman – Cine Esquina

Ao longo do mês de julho, o Cine Esquina rende homenagem a Ingmar Bergman, inspirando-se no aniversário de 100 anos de nascimento do cineasta (14/07/1918), com a realização da Mostra “O Lobo à Espreita: Uma Homenagem ao Centenário de Ingmar Bergman”. Curiosamente, o sueco também veio a falecer no mês de julho, no dia 30, em 2007.

Confira a apresentação oficial da Mostra: “Bergman nasceu no mês de julho de 1918, na cidade de Uppsala (Suécia), e morreu em 2007, aos 89 anos. O diretor é considerado um dos principais nomes da história do cinema e dirigiu 52 filmes ao longo de 73 anos de carreira. Também foi dramaturgo, dirigindo mais de cem peças teatrais. Na extensa lista de premiações que detém, estão os troféus nos festivais de cinema de Cannes, Berlim e Veneza, além de três prêmios Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Ele influenciou dezenas de cineastas, incluindo Woody Allen, que o idolatrava e que homenageou O Sétimo Selo, um dos clássicos do cineasta sueco, com a comédia A Última Noite de Boris Grushenko.

Por meio de impecável construção visual e forte influência de dramaturgos como Strindberg, Shakespeare e Ibsen, traz nos temas centrais das obras dele o estudo psicológico dos personagens e das famílias disfuncionais, assim como a angústia causada pela ausência de um Deus, deixando o ser humano abandonado entre o ‘bem’ e o ‘mal’. Como recurso técnico, o flashback se tornou ferramenta essencial das narrativas e marca registrada dos filmes de Bergman. Assim como a interação do ator com a câmara, como se estivesse dialogando ou olhando para o espectador.”

A mostra continua com O Sétimo Selo. A mostra, que começou com Morangos Silvestres, ainda contará com: Persona (dia 10); A Hora Do Lobo (12); Vergonha (17); Sonata De Outono (19); Fanny & Alexander (24); Na Presença De Um Palhaço (26); e Face A Face (31).

Sinopse: Após dez anos, um cavaleiro retorna das Cruzadas e encontra o país devastado pela Peste Negra. A fé dele em Deus é sensivelmente abalada, e enquanto reflete sobre o significado da vida, a Morte surge querendo levá-lo, alegando que chegou a hora do cavaleiro. Com o objetivo de ganhar tempo, ele convida a Morte para um jogo de xadrez, que decidirá se ele deixará ou não de viver. A Morte concorda com o desafio, visto que nunca perdeu um jogo de xadrez. Continuar lendo

28 Jun. 2018: “Como Esquecer” de Malu de Martino – Cine Esquina

O Cine Esquina exibe Como Esquecer, de Malu de Martino.

Sinopse: Júlia, professora, não se conforma de ter sido abandonada pela companheira Antônia após 10 anos de relacionamento. Agora, de mal com a vida, ela luta para enfrentar os fantasmas das recordações… Para isso, conta com o apoio do amigo Hugo, um gay viúvo, com quem irá dividir um novo lar e tentar aprender que a vida segue em frente e os sentimentos perduram. Continuar lendo

26 Jun. 2018: “Eu Me Lembro” de Luiz Fernando Lobo – Cine Esquina

O Cine Esquina exibe Eu Me Lembro, de Luiz Fernando Lobo.

Sinopse: Documentário sobre os cinco anos do projeto Caravanas da Anistia, criado pela Comissão de Anistia do Ministério da Justiça. Reconstrói a luta dos perseguidos pela Ditadura Civil-Militar no Brasil por reparação, memória, verdade e justiça, utilizando-se de documentos e imagens, parte deles então inéditos, e entrevistas. Como o título traduz, mostra que a luta das pessoas que resistiram à ditadura não ficou no passado. Pelo contrário: encontra-se ainda latente em todas as gerações e, principalmente, nos sonhos e ações da juventude atual, por exemplo, através de atos de desagravo contra torturadores e do regime militar. Continuar lendo

21 Jun. 2018: “Gonzaga: De Pai Pra Filho” de Breno Silveira – Cine Esquina

O Cine Esquina exibe Gonzaga: De Pai Pra Filho, de Breno Silveira.

Sinopse: Decidido a mudar o rumo da vida dele, Gonzaga sai de casa jovem e segue para cidade grande, em busca de novos horizontes e para apagar uma decepção amorosa. Lá, conhece uma bela mulher, Odaléia, por quem se encanta. Após o nascimento do filho e complicações de saúde da esposa, ele decide voltar para a estrada para garantir os estudos e um futuro melhor para o herdeiro. Para isso, deixa o pequeno aos cuidados de amigos no Rio de Janeiro e sai pelo Brasil afora. Só não imaginava que essa distância entre eles faria crescer uma complicada relação, potencializada pela forte personalidade de ambos. Baseada em conversas realizadas entre pai e filho, essa é a história do cantor e sanfoneiro Luiz Gonzaga, também conhecido como O Rei do Baião ou Gonzagão, e do filho também astro da MPB, popularmente chamado de Gonzaguinha. Continuar lendo

19 Jun. 2018: “Cinema Novo” de Eryk Rocha – Cine Esquina

O Cine Esquina exibe Cinema Novo, de Eryk Rocha.

Sinopse: Um ensaio poético, com olhar aprofundado e retrato íntimo sobre o Cinema Novo, movimento cinematográfico brasileiro que colocou o Brasil no mapa do cinema mundial. O Cinema Novo lançou grandes diretores como Glauber Rocha, Nelson Pereira dos Santos e Carlos Diegues, e criou uma estética única, essencial e visceral que mudou a história do cinema latino-americano e a própria história do Brasil para sempre. Continuar lendo

14 Jun. 2018: “O Batismo” de Marcin Wrona – Cine Esquina

O Cine Esquina exibe O Batismo, de Marcin Wrona.

Sinopse: Michał espera mudar a sorte dele e escapar do passado criminoso que deixou para trás. Michał tem o que ele sempre sonhou: uma bela esposa, um filho recém-nascido, uma empresa própria. Mas, infelizmente, há uma sentença da máfia contra ele. Michał tenta desesperadamente encontrar uma maneira de salvar a família. Vários dias antes do batizado do filho, ele convida o velho amigo Janek para ser o padrinho. Isto é só o começo do plano de Michał para sobreviver à sentença. O roteiro é vagamente baseado na história real de um homem do interior da Polônia que, depois de trabalhar com a máfia na cidade natal, mudou-se para Varsóvia para mudar de vida. Continuar lendo

12 Jun. 2018: “Amar, Beber E Cantar” de Alain Resnais – Cine Esquina

O Cine Esquina exibe Amar, Beber E Cantar, de Alain Resnais.

Sinopse: Um grupo de teatro amador está ensaiando uma nova peça, quando uma notícia triste abala a todos: George, amigo próximo da trupe, está doente. De acordo com os médicos, ele tem no máximo seis meses de vida. Enquanto as mulheres do grupo começam a relembrar a antiga paixão pelo mulherengo George, os homens têm uma ideia inusitada: e se o amigo doente fosse chamado para interpretar um dos personagens da peça? Continuar lendo

07 Jun. 2018: “Tempos De Paz” de Daniel Filho – Cine Esquina

O Cine Esquina exibe Tempos De Paz, de Daniel Filho.

Sinopse: Rio de Janeiro, 18 de Abril de 1945. No Brasil, o governo de Getúlio Vargas liberta presos políticos, ao mesmo tempo em que recebe milhares de imigrantes europeus. Neste contexto, surge o embate entre o chefe da imigração na Alfândega do Rio de Janeiro e um ex-ator polonês, suposto seguidor de Hitler. Enquanto Segismundo tem a obrigação de evitar a entrada de nazistas no país, Clausewitz terá que usar todas as técnicas de convencimento do teatro para ficar em território brasileiro. Começa aí uma batalha entre a realidade e o desejo, entre a tortura e a memória de alguém que se culpa por ter fechado os olhos para os horrores da guerra. Continuar lendo

05 Jun. 2018: “Xingu” de Cao Hamburger – Cine Esquina

O Cine Esquina exibe Xingu, de Cao Hamburger.

Sinopse: Narra a saga do trio de irmãos conhecido como Irmãos Villas-Bôas, Orlando, Cláudio e Leonardo, membros da Expedição Roncador-Xingu, missão desbravadora do Brasil Central em meados do Século 20. Os irmãos Villas Bôas foram os principais idealizadores, em 1961, do Parque Indígena do Xingu, primeira reserva do gênero homologada pelo governo federal. Continuar lendo